Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Ritoca Bomboca

Ritoca Bomboca

14
Jan15

1.ª Crónica #loslateiros - Restaurante O Ernesto

Não sou crítica gastronómica, nem Chef, e muito menos especialista na matéria.
Mas sou lateira! Uma das coisas que mais prazer me dá é mesmo comer!
Em criança era esquisita e gorducha, entretanto cresci e a única coisa que mudou foi a esquisitice, é que agora gosto de tudo, excepto azeitonas.
Por sorte, porque sou boa rapariga, tenho ao meu lado um Moss que também é um bom lateiro.
Os nossos programas são, invariavelmente, escolhidos em função do enfardanço!
Por brincadeira, e porque está na moda, comecei a colocar o hastag #loslateiros.
Como tal, porque me apetece, e porque esta barraca é minha, vou deixando por aqui os comentários aos estaminés por onde passamos, colocando no final a minha pontuação, como boa lateira que sou, de 0 a 5.
Começo pelo O Ernesto, na Picaria, que podem conhecer melhor aqui.
Conheci o restaurante O Ernesto através de uma querida amiga da faculdade. Como referi, O Ernesto situa-se na Rua da Picaria, no Porto, ali mesmo pertinho do túnel de Ceuta, logo, bem juntinho à movida Portuense.
No sábado foi a opção, pois a intenção era mesmo sairmos na baixa do Porto, para festejarmos o aniversário da P.
O Ernesto é um restaurante familiar, que passou de pai para filho. Tem duas salas, e na entrada um corredor com mesas encostadas à parede, para duas pessoas. Mas é pequeno, portanto o conselho é mesmo reservarem.
Inicialmente nota-se a disparidade entre a entrada e o interior, este bem mais bonito e acolhedor.
A comida é caseira, e quem fica na sala de cima, onde fiquei de todas as vezes que lá fui, consegue ver a cozinha.
Para entradas colocam bolinhos de bacalhau, como os de nossa casa, queijo, bem amanteigado como eu gosto, salpicão, pão e azeitonas, estas preferencialmente longe de mim, pois nem o cheiro suporto.
A Sr.ª que nos serviu, penso que de seu nome Elisabete, era amorosa e extremamente simpática.
Os pedidos foram variados, no meu caso optei pelos rojões à moda do Minho. Devo dizer que a carne estava tenra e saborosa e  as batatas estaladiças. Mas, como bons rojões minhotos, vêm acompanhados pela tripa enfarinhada, e aqui estava o primeiro defeito a apontar, a tripa estava mole, ou seja, longe daquilo que se pede. Eu gosto de tripa enfarinhada, bem frita e estaladiça, ao contrário do que me serviram. Além disso o arroz estava frio, e o mesmo aconteceu com o arroz de pato que serviram frio.
Depois disso veio a sobremesa, para mim uma fatia de tarte de amêndoa, que apesar de não ter o melhor aspecto do mundo, era agradável.
No final tocou uns 20€ a cada um dos lateiros.
No que toca a relação qualidade preço, foi um pouco caro, para aquilo que nos foi servido.
Pontuação (0 a 5): 3.