Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ritoca Bomboca

Ritoca Bomboca

03
Set14

Because I'm Happy # Parte II

O António nasceu, cheio de saúde, se não é um dos bebés mais fofos do mundo, anda lá perto, muito perto mesmo.
Sim, sou suspeita, porque adoro de paixão a minha amiga, mãe do António.
A mãe do António durante boa parte da minha vida, foi a Amiga, aquela que estava sempre comigo, em todos os momentos, bons ou maus, de riso ou de choro, estava ali para mim, como eu sempre estive para ela, e ainda estamos. Acontece que, por circunstâncias da vida, neste momento temos um oceano a separar-nos, mas é só mesmo isso, água, porque os laços de amizade, de amor, de carinho, de tudo o que de melhor existe ainda permanecem, porque, por mais cliché que possa parecer, é uma amiga como se de família se tratasse.
Agora, a minha amiga teve um bebé, teve um lindo bebé, fruto do casamento com o amor da vida dela, teve um parto relativamente "santo", aliás, nunca conheci grávida alguma que estava a acabar de ter o filho e a falar ao telemóvel, com a mais que babada tia L.
Agora a minha amiga está feliz como nunca esteve, diz que ter um filho é realmente a melhor coisa do mundo, que só lhe apetece encher o António de beijos e que o António está cada dia mais fofo.
Agora eu, tal como toda a gente que gosta dela, estou feliz por ela, mesmo feliz.  
Nunca vivi com o mal dos outros, nunca, mas sempre vivi com a felicidade de quem me é próximo, quero sempre ver os meus bem, felizes, estou mesmo mesmo feliz pela T., porque além de tudo, o meu coração tem mais alguém para amar, um bebé tão lindo, que mesmo do outro lado do oceano tem tanta gente feliz com a sua chegada.
Depois de sentir a felicidade da T., de ler textos como estes  "A paixão que sentimos não termina nunca, o coração duplica de tamanho e passamos a ser feitas de mel. Nascemos com uma alma nova no dia em que um filho (nos) nasce. Percebemos que nada do que vivemos até ali se aproxima da plenitude que a vida ganha, da serenidade e da paz que só um amor como este opera dentro de nós", só posso dizer: Obrigada António, por tornares a vida da tua mãe tão feliz.
Deste lado, podes ter uma certeza, terás sempre aqui para ti, uma tia de coração, muito babada. Não vejo a hora de te poder pegar!
Obs - nunca escrevi tantas vezes a palavra "feliz", mas é assim que todos nos encontramos. Um ser tão pequenino e já com tanto poder.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.